18 de novembro de 2019

Frase do dia

Quem se vinga depois da vitória é indigno de vencer. (Voltaire)

Nota de falecimento

Informa o Sispmum: “Comunicamos o falecimento na manhã de hoje (17/11) do médico do trabalho Dr. Marcos Barbosa, o qual era servidor do Município há mais de 40 anos, tendo trabalhado em várias unidades de saúde da nossa rede municipal, chegando a ser diretor do nosso hospital, além de ter atuado em outras cidades também. Lamentamos a perda desse profissional que tanto contribuiu pelo bem de Mangaratiba.”

Um dia especial

A propósito do evento de inclusão de crianças e adolescentes portadores de necessidades especiais realizado há alguns dias na Praia do Saco, assim se manifesta um dos organizadores do DKF: “Foi um dia muito especial realizado num lugar nada especial”. Segundo ele, ao invés de realizar a ação no mesmo local do DKF original, em Itacuruçá, o secretário Monsores, segundo esse dirigente, “forçou ao extremo” para que acontecesse na Praia do Saco, sem dar ouvidos às recomendações dos experientes praticantes do esporte, que afirmavam ser um local inadequado. Como conseqüência, continua ele, algumas das crianças participantes apresentaram, após o evento, alergias, algumas severas, em virtude dos resíduos de minério de ferro oriundos do TIG, em suspensão nas águas da região, que grudavam em suas peles.

Obligare

O particípio do verbo obrigar, do latim obligare, “ligar por todos os lados, ligar moralmente”, expressa o reconhecimento de uma dívida entre quem recebe um favor ou gentileza e quem o faz. Ambos, dessa forma, ficam ligados, atados, presos por um laço moral. Parece que não foi isso o que aconteceu em outubro passado por ocasião da mais recente edição do DKF, pesca de caiaque. De acordo com esse organizador do evento, um dos requisitos de participação, como sempre, foi a doação de alimentos. Nos anos anteriores, o momento da entrega dos alimentos arrecadados para serem repassados aos programas sociais da prefeitura, sempre foi um dos pontos altos da efeméride, com a necessária presença dos representantes municipais responsáveis pela área. Na edição de outubro passado, queixa-se ele, no entanto, ninguém apareceu. Não disponibilizaram sequer transporte para os alimentos arrecadados e, suprema indelicadeza, até o momento, mais de quarenta dias depois, nenhuma palavra ou gesto posterior de agradecimento.

Antes que seja tarde

Já é senso comum que visitantes, em dias de sol ou feriado prolongado, quando dispõem de recursos, raramente permanecem no continente. Preferem passar os dias nas praias das ilhas. Todavia, do mesmo modo que as praias do continente estão cada vez mais degradadas em função de atividades que a Guarda Municipal Ambiental luta para impedir, nem sempre com sucesso, os mesmos eventos parecem estar se deslocando para as ilhas. Num passeio de lancha no último sábado, um morador constatou várias pessoas acampadas na ilha Vigia. Eram, pelo menos, quatro barracas e uma indefectível churrasqueira. Outra churrasqueira foi encontrada na praia do Araçá, assando carnes e demais petiscos em plena areia, enquanto as bebidas eram adquiridas num dos quiosques do restaurante local.

Alvíssaras

Boa notícia trazida a público no final da última semana indica que a atual gestão municipal decidiu, finalmente, se unir, de forma concreta e aberta, às comemorações do “Dia Nacional da Consciência Negra”. A nota, publicada nos últimos dias, dá um passo importante na direção do resgate da memória e participação dos afrodescendentes na construção do nosso município nos seguintes termos: “Para homenagear a cultura africana e a luta pela liberdade e seus direitos, a Prefeitura de Mangaratiba e a Fundação Mário Peixoto promoverão a Semana da Consciência Negra, de 18 a 22 de novembro, com oficinas de confecção de bonecas abayomis e de turbantes, rodas de capoeira, palestra, exposição no Museu Municipal de Mangaratiba, além de uma deliciosa feijoada. Viva a cultura africana e o empoderamento feminino! A programação acontecerá no Museu Municipal de Mangaratiba e no Centro Ferroviário de Cultura Odejaime de Hollanda Ferreira, em Itacuruçá.

Você sabia?

Tendo em vista a passagem da “Semana Nacional da Consciência Negra”, vale lembrar que todos os cariocas já passaram ou utilizam o “túnel Rebouças”, ligação entre as zonas norte e sul da cidade do Rio de Janeiro. Poucos sabem, todavia, quem foi esse tal de Rebouças, que dá nome ao túnel. Neto de uma escrava alforriada e filho de Antônio Pereira Rebouças, ele era um advogado autodidata, que se tornou conselheiro de D. Pedro II. André Rebouças nasceu em 1838, em Cachoeira, Bahia, em uma família classe média negra em ascensão no Segundo Reinado. Por causa da posição atípica de sua família para a época, André e seus seis irmãos receberam uma boa educação. O menino e um de seus irmãos, Antônio Rebouças, se tornaram importantes engenheiros e abolicionistas. Como engenheiro, seu maior projeto foi o da estrada de ferro que liga Curitiba ao porto de Paranaguá, considerado, até hoje, uma realização arrojada. Como abolicionista, ele criou, junto de Machado de Assis, Joaquim Nabuco e outros abolicionistas importantes da época, a Sociedade Brasileira Contra a Escravidão. Após o fim da escravidão, no entanto, a monarquia também chegou ao fim. Com a proclamação da República, em 1889, a família de D. Pedro II e pessoas ligadas a ele, como a família Rebouças, tiveram que partir para o exílio. André nunca mais retornou ao Brasil. Algumas capitais brasileiras, como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba, têm avenidas e túneis chamados de Rebouças, em homenagem ao engenheiro negro.

Vida de gado

Não bastasse a dificuldade de locomoção dentro do município, agora ficou mais difícil também ir ao Rio de Janeiro. Na tarde desse domingo a Supervia divulgou a seguinte nota: “Passageiros, lamentamos informar que, para garantir a sua segurança e atendendo à recomendação da fabricante CRRC (consórcio chinês), 40 trens chineses serão retirados de circulação a partir de amanhã (18/11). Com isso, mediante a indisponibilidade parcial da frota, precisaremos ajustar nossa operação, buscando a continuidade da prestação do serviço com segurança e o mínimo de impactos possível. Veja o que muda: Aumento dos intervalos nos ramais Santa Cruz e Japeri. Aumento dos intervalos no trecho entre Gramacho e Saracuruna. Algumas viagens do ramal Deodoro serão realizadas em trens de quatro carros.”

Autor: Prof. Lauro

Psicólogo, Professor Universitário, aposentado, e escritor, 72 anos, divorciado, três filhas e seis netos. Com residência de temporada em Itacuruçá desde 1950 e definitiva a partir da aposentadoria em 2001.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: