26/27 de abril de 2020

Frase do dia

Je suis la Loi, Je suis l’Etat. l’Etat c’est moi. (Eu sou a lei. Eu sou o estado. O estado sou eu. – Luís XIV, rei da França)

Mangaratiba na mídia

Reportagem de diversos sites de internet divulgaram neste final de semana: “Moradores da cidade de Mangaratiba, no litoral sul do Rio, estão intrigados há vários dias por causa da diferença gritante de casos locais confirmados pelo município da covid-19 em confronto com os números apresentados diariamente pelo boletim do Estado. Até essa quinta-feira, a prefeitura informava que havia 32 pessoas contaminadas na cidade, enquanto o governo do Estado atestava apenas seis. Essa eventual defasagem já vem ocorrendo há mais de duas semanas. Pode, em parte, estar atrelada à demora na tramitação oficial das informações ou pelo menos a um outro fator. Em protocolo criado pelo Ministério da Saúde, os casos atribuídos às cidades são dos que residem nelas. Assim, por exemplo, um morador de Mangaratiba que tenha testado positivo para a covid-19 num exame feito no município do Rio, não vai figurar na estatística da capital e sim da cidade onde tem sua residência. De todo modo, mesmo com essas explicações, as dúvidas permanecem entre os que vivem em Mangaratiba. Na página oficial da prefeitura, no Facebook, há muitas reclamações e indagações de seus habitantes. “Essa matemática não está batendo”, protestou um deles.” “Quero informações verdadeiras”, exigiu uma moradora. “Temos nosso direito de saber a verdade”, disse outra.  A reportagem do Terra tenta desde quarta-feira um esclarecimento do Estado sobre esse caso específico. Já a prefeitura de Mangaratiba, por meio do seu Secretário de Comunicação, informou que tem encaminhado regularmente os dados à Secretaria Estadual de Saúde e que o município não pode responder pela não inserção desses números da covid-19 no sistema do Estado.” (Fonte: Terra.com.br)

Mangaratiba na mídia II

Responde a prefeitura: “De 02 de janeiro de 2020 até às 19 horas dessa sexta-feira (24 de abril), o Município de Mangaratiba registrou 147 suspeitas clinicas de infecção pelo novo coronavírus, sendo 34 confirmadas, 36 já descartadas, 77 aguardam análise laboratorial. Um total de 31 pessoas ainda está em quarentena em casa e outras 5 permanecem internadas, uma no hospital municipal e quatro em hospital de referência. Os primeiros casos de internação severa, onde os pacientes precisaram de auxílio respiratório, tiveram alta e podem ser listados como curados da Covid-19. Outras 100 pessoas tiveram alta após isolamento domiciliar de 14 dias, não tendo manifestado mais os sintomas apresentados, mesmo que os exames ainda não tenham chegado para concluir se estes contraíram ou não o Covid-19. O segundo óbito foi registrado e já está constando nos dados da Secretaria Estadual de Saúde. Um morador do município com plano de saúde particular que deu entrada na Cemeru em Itaguaí e havia colhido o teste SWAB no dia 23 de março. O primeiro óbito foi registrado no início de abril. Do total de suspeitas clínicas de infecção, 18 são de profissionais de saúde, sendo 13 confirmados. Por isso a Secretaria de Saúde adotou um protocolo para troca de plantão. Todos os pacientes em quarentena se encontram em acompanhamento pela Vigilância Epidemiológica.”

Segue

A Vigilância Epidemiológica Municipal esclarece que gera as informações advindas do serviço de atendimento e notificações. No caso do COVID-19, os sistemas de informação dos casos ainda estão manuais, dificultando que a Secretaria Estadual lance as informações em tempo real. Os testes rápidos que são realizados no Município ainda não são lidos pela SES por conta da validação dos dados. Logo, o número de casos confirmados da Secretaria de Estado, ficam em defasagem com os dados do município, enquanto não se resolve o impasse destes dados serem reconhecidos pelo sistema. Atualmente, a Secretaria Estadual de Saúde só considera casos confirmados os resultados do LACEN e alguns laboratórios que se credenciaram para realizar os exames de SWAB. Sendo, assim, achamos ser mais real, lançar os dados municipais para esclarecer a população, ou seja, o que está acontecendo no Município é o que é passado para a SES, e o Estado decide o que lança em seu painel. Porém, esclarecemos que nossos dados são corretos, públicos, e com maior transparência possível.

Segue II

Na semana passada a Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde interditou um estabelecimento no município devido ao descumprimento às normas ao combate ao coronavírus. O proprietário do estabelecimento foi atestado POSITIVO para o coronavírus, mas continuava a realizar o atendimento em sua loja. A Prefeitura reitera que, como previsto no Código Penal, em seu artigo 268, é crime de infração de medida sanitária preventiva, que pune a conduta de violar determinação do poder público, que tenha finalidade de evitar entrada ou propagação de doença contagiosa. Como Mangaratiba saiu do estágio zero de contaminação, os casos de Síndrome Gripal também passaram a ser considerados suspeitos da Covid-19, conforme Portaria nº 454, de 20 de março de 2020 / SMS, e Nota Técnica – SVS/SES-RJ Nº 09/2020, de 24 de março de 2020. Os pacientes estão em isolamento domiciliar, onde estão sendo monitorados por profissionais de saúde da rede municipal. (Fonte: PMM)

Acontece aqui

Achando que poderia levar um pouco de diversão à sua família, sem violar as regras do distanciamento social, um morador de Itacuruçá pegou seu barquinho e levou a família (quatro pessoas) para passar o dia na ilha “Vigia pequena”. Até perto das dez da manhã eram apenas eles e a natureza. Aos poucos, no entanto, lanchas, barcos de aluguel e Jet-skis começaram a aparecer. Em torno do meio-dia, eram tantas as pessoas na faixa de areia de menos de cinqüenta metros, com bagagens, bebidas, churrasqueiras e som alto, que o morador, discretamente, recolheu sua família voltando para casa. Interessante observar, nas palavras dele, que não conhecia ninguém, eram todos, literalmente, turistas de um dia visitando o município. Segundo observou, eram pelo menos onze jet-skis, pilotados por rapazes fortes, tatuados e com grossos cordões de ouro nos pescoço e cinco barcos de recreio. Sua pergunta, sem resposta, é como todas essas pessoas conseguiram entrar no município, apesar das barreiras nas entradas que cobram comprovante de residência até de quem vem de carona?

Efeito Moro

O desembarque do ministro da Justiça, Sérgio Moro, do governo do presidente Jair Bolsonaro na última sexta-feira gerou impacto direto no empresariado bolsonarista. Gabriel Kanner, presidente do Instituto Brasil 200, afirmou que o grupo, formado por empresários que apoiavam o presidente estão bastante decepcionados com a interferência do ex-capitão. “Eu me sinto absolutamente traído como eleitor. Acho que todos que acreditaram no discurso do combate à corrupção se sentem traídos”, disse em entrevista à Folha de São Paulo. Entre os integrantes do bloco estão o dono das lojas Havan, Luciano Hang, e o Flávio Rocha, dono da Riachuelo. Hang, conhecido pelo terno verde-e-amarelo e pela defesa insana de Bolsonaro, disse nas redes sociais que está ao lado de Moro. “Obrigado por tudo que você fez pelo nosso país. Gerações e gerações lembrarão do seu legado. O povo brasileiro estará sempre ao seu lado. Estamos juntos”, escreveu o empresário.

Pérolas da internet

Sobre o pronunciamento do presidente Bolsonaro após a saída do Sérgio Moro: “Enquanto rola uma desgraça mundial, ficamos sabendo que a piscina não tem mais aquecedor. Fiquei estarrecida com o caso da sogrinha e que o Moro não abriu o coração para ele. Mas, também fiquei feliz com o pegador 04! E que o presidente só queria que a Marielle morta não fosse mais triste que a facada dele. Afinal, o Moro desprezou o pobrezinho na lanchonete! E me preocupei com o ministro da saúde, tinham que providenciar um café pra ele ou uma canja de galinha! Alguém mais com peninha dele? (De um internauta em rede social)

Pérolas da internet

Lembrando que o vice presidente da república chama-se general Mourão, um internauta literalmente “desenterrou” a música “General da banda”, música dos anos cinqüenta do século passado regravada por Elis Regina em 1973 e que diz, literalmente,: “Mourão, Mourão cutuca por baixo que ele cai”.

Autor: Prof. Lauro

Psicólogo, Professor Universitário, aposentado, e escritor, 72 anos, divorciado, três filhas e seis netos. Com residência de temporada em Itacuruçá desde 1950 e definitiva a partir da aposentadoria em 2001.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: