18 de dezembro de 2019

Frase do dia

Um povo ignorante é instrumento cego de sua própria destruição. (Simón Bolivar)

Mudança no ar

“Sinais de fumaça no horizonte” indicam que teremos mudanças no secretariado de Mangaratiba antes mesmo do início do verão, no próximo domingo, antes mesmo da reformulação administrativa encaminhada à câmara..

Oposição política

A oposição política realmente é algo central não apenas para o funcionamento dos regimes democráticos, do ponto de vista das cobranças as ações governamentais, mas como também para a própria caracterização do que é um sistema democrático. Não podemos compreender oposição e situação como aquele que está certo e aquele que está errado. Não funciona assim. No ardor de se opor à mensagem do executivo para a câmara municipal propondo uma reorganização administrativa, os sindicatos apresentaram diversas alegações contrárias que não se sustentam, como por exemplo, criticar o número de secretarias classificando-as como futuros ”cabides de empregos”. O que se constata, na leitura da mensagem, é que o poder público está em busca de uma mais adequada setorização das secretarias. Um exemplo: deixará de existir aquela secretaria chamada aqui no blog de “de nome comprido”, passando a existir pastas específicas para “Esporte e Lazer”, “Cultura”, “Turismo e Eventos”. No caso específico, desafogando o trabalho do secretário Roberto Monsores.

Oposição política II

Outra queixa dos representantes sindicais diz respeito à criação de cargos comissionados para dirigentes escolares e dirigentes adjuntos (inclusive com tabela de remuneração anexa). A suposição que não se sustenta é que isso seria descumprir o PME e a Lei 47/97. Não se deram ao trabalho de considerar que, caso não sejam aprovados os cargos comissionados para esses dirigentes escolares, aqueles que vierem a ser eleitos num processo de gestão participativa, não terão direito a nenhuma remuneração específica, mas apenas àquela referente a seus cargos de carreira.

Oposição política III

Como ressaltamos aqui no blog há poucos dias, existem aqueles que acreditam que ser oposição é apenas vociferar, soltar impropérios, ser do contra apenas por ser. De outra parte, existem aqueles com os quais talvez nem sempre venhamos a concordar, mas que se posicionam e argumentam de forma lúcida e coerente. Nesse sentido, repercutimos e damos destaque à manifestação da Leila Castro, sobre quem não paira qualquer dúvida a respeito de suas críticas à atual gestão municipal que, através das redes sociais, assim se posiciona: “Lamento muito tudo isso. Tenho vergonha de ver esse tipo de discurso rançoso que pode levar a uma reação que nivelará por baixo. Os políticos esquecem facilmente suas falhas, se enaltecem e agem como “Senhores da razão”, e no alto de seus egos, incentivados por seus grupos, são capazes de dizer, “desdizer”, insinuar e o mais grave, perpetuar elogios a própria gestão que até mesmo na época, já questionávamos. Agora, a pergunta que não quer calar. “Como foi esse despertar para o tema direção escolar?” Onde se afirma que o diretor comissionado não terá formação de magistério? Na verdade o que se reivindica é que não se tenha mais a oportunidade de fazer da educação um curral de adoradores, fazendo valer o PNE o PME, que define a eleição ou consulta, como a forma de se assumir uma direção escolar. O resto, não passou de uma tentativa de “lacrar” politicamente!” (Leila Castro)

Câmara

E a câmara aprovou, em segunda votação, a inclusão no calendário oficial de Mangaratiba da comemoração do ano novo chinês. A surpresa da “escorregada” é que a proposição não foi apresentada por nenhum dos vereadores, mas através de mensagem do prefeito. Segundo a justificativa apresentada, teriam sido os chineses os primeiros imigrantes vindos para o Brasil logo após a abolição da escravatura. Com o devido respeito “puxassaquismo explícito” talvez sugerido por algum assessor, apenas para criar clima ante um cônsul da China em visita a Mangaratiba. Porque não fazer o mesmo com outras colônias de imigrantes que também se instalaram no Brasil antes ou logo após a Abolição da Escravatura, como japoneses, alemães, italianos, espanhóis, sírios, suíços, libaneses. Do episódio, registre-se a atuação descuidada da assessoria em deixar uma “casca de banana” tão evidente no caminho do prefeito.

Autor: Prof. Lauro

Psicólogo, Professor Universitário, aposentado, e escritor, 72 anos, divorciado, três filhas e seis netos. Com residência de temporada em Itacuruçá desde 1950 e definitiva a partir da aposentadoria em 2001.

2 comentários em “18 de dezembro de 2019”

  1. Olá professor Lauro. Sou Maria Angélica Gabriel, coordenadora do Sepe Mangaratiba. Apenas alguns esclarecimentos qt a postagem do senhor sobre nossa discordância em relação a mensagem 53:
    – Nossa primeira proposta foi adiar a votação da matéria para termos tempo de aprofundar o assunto.
    – Caso não haja adiamento, que é o que parece, colocamos três pontos que achamos fundamentais: acabar com o abono de 3 mil reais da forma como hoje é concedido; cargos comissionados apenas para técnicos e revogar a criação dos cargos de diretor geral e adjunto das escolas municipais, pois confirma a intenção de que não ocorrerá processo consultivo, como já sinalizado pelo Secretário Municipal de Educação em audiência com o SEPE.
    Quando o senhor coloca que os professores efetivos ficarão sem remuneração específica, não é correto, pois o diretor e adjunto sendo efetivos, receberão a função gratificada, que deverá ser estabelecida para tais cargos.
    Também gostaria de colocar que solicitamos ao Legislativo a tribuna, para debatermos a importância da gestão democrática nas escolas e o processo consultivo, pois não concordamos com a pura e simples indicação dos cargos de diretor geral e adjunto pelo Executivo. Como não nos foi concedida a tribuna, aproveitamos também o momento de debate, tão raro na Casa Legislativa, para discutirmos o assunto.
    Além disso, há um rajuste de 9% nos cargos comissionados, em média, enquanto o menor salário dos efetivos necessita de um complemento para chegar ao valor do salário mínimo e até agora nenhum sinal sobre a reposição das perdas salariais dos efetivos.

  2. A Lei 47 de 30 de Dezembro de 1997 – Título II – Capítulo II – Art.10
    – Paragrafo Único: ” As funções de diretor e de dirigente de turno de unidade escolar são privativas dos membros do Magistério Municipal”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: