06 de novembro de 2018

Frase do dia

Ah, esse tempo existiu, eu sei! Tempo de caráter, lealdade, escrúpulos. tempo de verdade, amizade, respeito ao próximo, amor ao próximo. (Ruy Barbosa) 

Piorando

Enquanto a viação Ponte Coberta, que faz a linha Nova Iguaçú x Itacuruçá vem mantendo um bom padrão de serviço, o mesmo não se pode mais dizer da viação Expresso Recreio. À exceção da linha 122 T, Itaguaí x Mangaratiba, via Axixá, que trafega com regularidade a cada meia hora, as demais simplesmente circulam sem atender às necessidades da população, A mais recente reclamação vem dos moradores de Conceição de Jacareí que asseguram que agora só tem ônibus de Mangaratiba para Conceição de Jacareí de duas em duas horas e o o ultimo horário de Mangaratiba  para Conceição de Jacareí sai às cinco da tarde e, no sentido inverso, às dezoito horas, ficando todos dependentes de “Vans”, que por sinal, além de estarem caindo aos pedaços, não rodam com regularidade e não aceitam cartão Rio card.

Credulidade

A propósito da postagem de ontem sobre pessoas que ficaram sem pagamento, a moradora Margarete Coelho publicou a seguinte nota nas redes sociais: “Estou horrorizada com essa perseguição política em Mangaratiba! Pra quem não me conhece estou nas páginas lutando pelo município desde 2015, e nunca me aconteceu o que está acontecendo agora. Nunca tive vínculo com a prefeitura , quando vejo que alguma coisa está errada eu corro atrás porque sei que muitos ficam com medo de se expor na rede social. Por eu ser assim já fui processada, já arrombaram o meu apartamento e não levaram nada, foi só pra me meter medo, já me pegaram desprevenida na rua e me bateram, já fui ameaçada várias vezes, tudo isso porque eu não me calo diante de tanta injustiça no município. Não acho justo uma página de notícias que eu achava que era séria tentar me avacalhar falando que qualquer problema chama a Márcia. Como assim? Você deveria me respeitar e parar de ficar babando ovo para o Alan. Observem que a primeira notícia da página dele é puxando o saco do Alan. Melhor parar com isso porque está feio! Você pretende ter algum cargo na secretaria? É só pra saber! Eu sei que você me acompanha nas páginas e sabe perfeitamente que tudo que eu faço é de forma voluntária, não estou vendo motivos para me criticar. Os secretários que me conheceram e me conhecem sabem perfeitamente que eu não tenho horário para cobrar serviço, eu já liguei meia noite para secretária Cristina para resolver problemas no hospital . Qual é o problema nisso? Já me tiraram um página para calar a minha boca, agora eu vou virar notícias negativas no município por tentar ajudar o município, é isso mesmo? Saiba você que eu ajudo qualquer pessoa, você lembra do menino que sofreu um acidente e estava abandonado no Hospital Pedro II? Pois é, a minha publicação teve mais de 100 mil visualizações, várias autoridades entraram em contato comigo para resolver o problema do menino  e conseguimos resolver o problema. Isso também te incomoda? Melhor parar porque está feio! Não faça ironia com o trabalho que eu venho desenvolvendo no município, me respeita pra ser respeitado ! Você como meu colega de profissão deveria saber o significado de empatia. Fica na Paz!” (Margarete Coelho)

Credulidade II

Não há dúvidas de que sempre é louvável a atitude e tomada de posição em defesa de alguém que esteja mais fragilizado. O que não dá para compreender é que tais ações se baseiem na crença (um tanto inocente) de que uma conversa por aplicativo, em pleno feriado, teria o condão de resolver alguma coisa. Senão vejamos quais os condicionantes para a solução daquele problema: primeiro, as pessoas que ficaram sem salário, certamente ingressaram no serviço baseados em uma promessa eleitoreira de que teriam suas situações normalizadas após as eleições. Suas nomeações nunca foram publicadas no Diário Oficial, portanto, oficialmente eles nunca trabalharam. Segundo: às pessoas comuns, é permitido fazer qualquer coisa que a lei não proíba. Ao servidor público, efetivo ou agente político, só é permitido fazer aquilo que a lei determina expressamente. Portanto, por mais educado e atencioso que tenha sido o prefeito interino, ele não tem como solucionar o problema sem, ele mesmo, cometer uma nova irregularidade.

Credulidade III

Há alguns anos, um ex-prefeito do município foi cassado por conta do que o Tribunbal Regional Eleitoral considerou um ato de “estelionato eleitoral”, vez que, antes das eleições, ele alardeou um significativo aumento nos vencimentos dos servidores e, logo após eleito, revogou a medida. Consideraram os desembargadores que ele iludiu a população para conquistar votos. O fato é que conquistou e conseguiu se eleger, enganando todos os que votaram nele por causa do benefício. Dessa vez, a manobra de nomear (muitos só de boca) mais de mil e setecentas pessoas para cargos públicos, não se concretizou posto que o “autor” da tentativa acabou sendo alcançado pela justiça antes da eleição. O “pepino” deixado acabou caindo no colo do atual prefeito interino que já anunciou que muitas demissões já aconteceram e outras irão ocorrer para adequar o município aos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Credulidade IV

Aos que se sentiram prejudicados com a situação, de nada adianta recorrer a esse ou aquele político. O único caminho possível, mesmo assim sem grandes chances de sucesso, é buscar a tutela da justiça. Mesmo assim, será uma ação demorada e de difícil comprovação, além da possibilidade de o poder público recorrer “ad nauseam”.

Credulidade V

Cabe, ainda, uma palavra sobre trechos das postagens dessa senhora reclamando do blog e de que estaria sendo perseguida. Especialmente no trecho em que o blog lembrou a passagem do prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella com o já famoso “vai lá falar com a Márcia”, há que se diferenciar entre as figuras de linguagem “ironia” e “sarcasmo”. A ironia visa expressar algo que não significa necessariamente aquilo que a pessoa pensa. Mas, neste caso, também não tem por obrigação humilhar ou provocar, como é o caso do sarcasmo.

Prisão domiciliar

No último dia 1 de novembro, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, através da segunda câmara criminal, concedeu o benefício da prisão domiciliar a Daniele dos Santos Coellar e Yasmim de Oliveira da Conceição Costa, ambas condenadas no processo do ex-prefeito Capixaba. Assim se manifestou a desembargadora Gizelda Leitão: “Substituo a prisão-pena pela modalidade domiciliar (com fulcro no artigo 318, inciso V do Código de Processo Penal) – atentando-se que a prisão-pena permanece íntegra, mas deve ser cumprida pelas apenadas na modalidade domiciliar e que seu descumprimento (noticiada comprovadamente que as apenadas a estão descumprindo) ensejará a revogação do benefício da custódia domiciliar, com o consequente cumprimento de mandado de prisão. Oficie-se, para fins de recolhimento dos Mandados de Prisão. Intime-se a defesa da presente decisão, devendo as apenadas comparecerem à Secretaria dessa 4ª Câmara Criminal, para ciência pessoal dessa decisão e assinatura de termo de ciência. Rio de Janeiro, 01 de Novembro de 2018 Desa. Gizelda Leitão”

Autor: Prof. Lauro

Psicólogo, Professor Universitário, aposentado, e escritor, 72 anos, divorciado, três filhas e seis netos. Com residência de temporada em Itacuruçá desde 1950 e definitiva a partir da aposentadoria em 2001.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: