19 de julho de 2016

Frase do dia

Mesmo que você esteja em minoria, a verdade ainda é a verdade. (Mahatma Gandhi)

Desistiu mesmo

Em seu programa de rádio na tarde de ontem na super Tupi, o deputado estadual Pedro Augusto fez um discurso de mais de quinze minutos comunicando ter desistido da candidatura a prefeito de Mangaratiba. Alegou ele que como o estado está quebrado, não teria condições de cumprir as promessas que faria à população da cidade.

Entre cristais

A “aventura” do deputado, que não deu certo desde o início em face da forte rejeição a um candidato que nem conhece os distritos e rincões, também precisa ser vista pelo ângulo político. Nessa sua tentativa de impor tal candidatura ele, com certeza, “atropelou” o processo político natural do PMDB, provocando até mesmo a saída do partido de membros tradicionais da legenda no município. De outra parte, também deixou órfãos os que acreditavam que ele seria uma alternativa viável. No entanto, como dizia um sábio “preto velho”: deixa estar, jacaré, daqui a dois anos ele volta aqui pra pedir votos.”

Previ

Nosso Instituto de Previdência está com o repasse Patronal de 2015 todo sem pagar. Isso não chama atenção. Quase nenhum servidor sabe, só quem acompanha. Quase dez milhões do nosso repasse pessoal “sumiram” e deveria ser pago até junho do ano passado. Não foi! Dinheiro este, retirado do nosso salário. Mas isso ninguém fala. Usaram essas dívidas para cassar o ex, mas não se importaram em procurar onde foi parar esse dinheiro. Obra aparece mais em época de eleição e quem se deixa enganar, acha que está tudo lindo e maravilhoso. (Elizabeth Antunes, via facebook)

Histórias de Mangaratiba

“Apesar de já ter sido assinada a lei de proibição do tráfico de escravos no Brasil, ainda assim a negra mercadoria de gente africana continuava a chegar escondida em barcos de todos os feitios e tamanhos àquela fazenda do Comendador Breves na Marambaia, do outro lado da baía, onde ficava o Capitão Mata-Gente, homem muito violento e temido, empregado do Sinhô. Pai João lembrava ali, sentado à Pedra da Conquista, dos seus dias de infância descuidada do tempo, sua infernal viagem aprisionada num navio de piratas, sua venda no leilão do Trapiche dos Moraes, no Saco de Cima e sua instalação na fazenda do Sahy. Viveu muitos anos sossegado naquelas terras, onde foi autorizado pelo seu sinhô a casar-se com uma índia, também escrava, tendo filhos e uma linda neta, de nome Maria que já era moça. Após a morte do antigo feitor, tudo mudou com a chegada de outro admitido na fazenda. Chamava-se seu Manoel. Homem de gênio ruim e de má índole, que por qualquer motivo até mesmo sem motivo algum, castigava os escravos de uma forma muito cruel. Muitos morreram no tronco, nas mãos desse perverso feitor, nos golpes do “bacalhau”, inclusive os filhos de Pai João. Para piorar, seu Manoel não tirava os olhos de Maria e já havia dito que assim que o patrão viajasse, a moça iria morar com ele. Agora, olhando o barco do sinhô sumindo no horizonte, Pai João achava que já era hora de dar um basta naquele tratamento desumano que os negros vinham sofrendo na mão do feitor. A senzala estava a um passo de estourar uma revolta. Deu um assovio bem forte e apareceu um negrinho. A sua ordem era que chamasse toda a população escrava da fazenda para ouvi-lo – todos obedeciam a Pai João. Quando os escravos chegaram, ele falou que o feitor não merecia mais continuar vivendo. Tinham que se juntar, esperar a volta do barco “Flor dos Mares”, agarrar de surpresa o seu Manoel e executa-lo pelos crimes e maldades que cometeu. Todos concordaram. Passando horas de espera, a canoa apareceu na ponta da Guaíba. Os negros aceleraram os preparativos para a recepção do feitor. Assim que a canoa aportou, seu Manoel desceu com o chicote em punho, como de costume, e começou a gritar que não estava gostando daquela reunião na praia. Dois negros fortes agarraram-no pelo braço, sem chance de reação. 

Segue

Foi desarmado e obrigado a sentar-se na Pedra da Conquista, cercado pelos escravos da fazenda. Começava ali seu julgamento. Falou Pai João, olhando nos olhos do feitor, que ele ia morrer para pagar toda a maldade que havia feito naquela fazenda, desde que chegou, por todos os negros que morreram sem motivo, inclusive seu filho; por todas as negras que violentou. Estava na hora de partir para o inferno. Os negros e negras que ali estavam, gritavam com enxadas, foices e facões em torno de seu Manoel. Sem aquela arrogância costumeira, ele pedia perdão e jurava ir embora para sempre daquele lugar. Mas nada adiantou. Os escravos sabiam que aquela palavra de feitor não valia a cachaça que bebiam. Além disso, o que tinham começado a fazer, não tinha volta. Amarraram uma corda no pescoço do feitor, que gritava, xingava, ameaçava com as severas punições do Comendador Breves. A outra ponta da corda foi amarrada a uma pedra. Os escravos colocaram o feitor no barco “Flor dos Mares” e remaram até o meio da baía de Sepetiba. Então, atiraram Manoel no fundo do mar, sem dó nem piedade. Pai João reuniu os escravos e juntos arrombaram a casa da fazenda, retirando vinhos e comidas do patrão. Era tanta comida e tão diferente, que eles nunca tinham visto na sua frente, nem em tempo de festa no povoado. Todos seguiram para o penhasco do Sahy, no alto da Pedra da Conquista, mais de cem metros de altura. Fizeram uma festa, comemorando o feito, com batuque, jongo e cateretê, que entrou madrugada adentro. No outro dia bem cedo, ainda no alto da Pedra do Sahy, Pai João reuniu crianças, mulheres, homens; amarrou-os com um cipó, pulso a pulso, tendo ele à frente. Encaminhou-se para o abismo, sem protestar, cantando e dançando. Todos caíram no precipício. Ninguém escapou da pedra do Banquete.” (Alexandre Andrade, com brevescafe.net)

Anúncios

Uma resposta em “19 de julho de 2016

  1. Grande lauro!
    Muito legal para minha leirtura noturna e ver q a gistoria de Mangaratiba estas endo lembrada..
    Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s