11 de julho de 2016

Frase do dia

Paciência e tempo dão mais resultados do que força e raiva. (Jean de La Fontaine)

Aarão

As últimas informações sobre o estado de saúde do ex-prefeito e atual candidato Aarão de Moura Brito Neto dão conta de que ele teve sim um acidente vascular cerebral em grau leve. De acordo com essa fonte, ele continua internado na unidade de terapia intensiva do Cemeru de Itaguai, mas sem maiores riscos. Essa mesma fonte acrescenta que ele teve alguns prejuízos nos movimentos do braço e perna direitos.

Embaralhando as cartas

A extensão do incidente de saúde que acometeu o ex-prefeito e candidato Aarão, pode influir, de forma significativa, no corrente processo eleitoral do município. Confirmando-se ter sido apenas um incidente leve, ele adicionará um tom dramático à sua campanha, o que pode lhe render muitos votos. Se, de outra parte, seu quadro clínico for mais grave, ele estará definitivamente fora da campanha eleitoral, vez que necessitará de vários meses para sua plena recuperação, o que pode determinar a necessidade de sua substituição como líder da chapa majoritária e a consequente perda de apoios angariados ao longo dos últimos meses..

Puxando orelhas

Frase de um morador do município: “Aí, a Prefeitura vai e coloca a lixeira. O cidadão chega perto e mesmo com a tampa da lixeira aberta, coloca o saco de lixo na frente, ao invés de colocar dentro. Cidadania e educação vem de berço!”Lixeira1

Pátria educadora

A história da educação no Brasil é um acúmulo de omissões e até mesmo de ações propositais que resultaram numa situação de extrema desigualdade social, com um analfabetismo ou um analfabetismo funcional endêmicos, um vergonhoso estado geral de ignorância e de desprezo pelo conhecimento. Para quem analisar nossa história, fica claro que a proibição do voto aos analfabetos sempre foi intencional, pois o governante somente tinha de prestar satisfações a uma minoria privilegiada, da qual esse mesmo governante provinha. Como a maioria era analfabeta, e não tinha voz nem voto, o governante só poderia ser alijado do poder pela ínfima minoria para quem governava, e podia desprezar solenemente as necessidades da imensa maioria dos brasileiros, aumentando assim, ano a ano, século a século, o abismo social que nos define. A exclusão brasileira foi criada propositalmente pela reserva do acesso à educação somente a uma parcela dos brasileiros, porque só há uma riqueza a distribuir, e essa riqueza é o acesso a uma educação de qualidade. Muitas famílias enviam seus filhos à escola de má vontade, alguns somente para cumprir as exigências das bolsas-família, e as próprias crianças festejam quando algum professor falta à aula e elas podem ficar brincando à vontade no recreio. Séculos de exclusão não criaram um anseio por este direito por parte dos próprios excluídos!

Segue

A maioria dos pais dessas crianças está disposta a fazer sacrifícios para comprar um tênis de grife para seu filho, mas protesta quando tem de gastar qualquer quantia para comprar-lhe um livrinho sequer. Isso significa que a família brasileira acha mais importante investir no pé do que na cabeça do seu próprio filho. Como reverter esse quadro? Como incutir na consciência das famílias que a felicidade e a riqueza só podem ser conquistadas pelo conhecimento, pelo acesso à ciência, à tecnologia? Como poderemos obrigar o brasileiro a ser feliz? Acredito que obrigar é impossível. Enquanto tentarmos enfiar o conhecimento goela abaixo de nossas crianças como um purgante, utilizando as punições, as suspensões e as reprovações como instrumentos de persuasão, só teremos fracassos pela frente. Nossa escola tem de ser fascinante, atraente, cheirosa, utilizando como fator de atração a literatura infantil e juvenil hoje produzida por centenas de ótimos autores, para que os sonhos e a alegria desses livros possam fazer com que os alunos anseiem por estar na escola, não comemorem os feriados. Não basta que tenhamos criado vagas para todo mundo. É preciso que a porta da sala de aula seja o pórtico da felicidade. Os brasileiros têm de compreender que estudar não é chato; chato é ser burro! (Pedro Bandeira, no UOL)

Anúncios

Uma resposta em “11 de julho de 2016

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s