11 de fevereiro de 2016

Frase do dia

Sucede com frequência que os espíritos mais mesquinhos são os mais arrogantes e soberbos, assim como os espíritos mais gene­rosos são os mais modestos e humildes. (Renée Descartes)

Carnaval, o rescaldo

Diz o “non sense” popular que, “entre mortos e feridos, salvaram-se todos”. O carnaval 2016 terminou e a frase se aplica à perfeição ao caso. Além do mais, mesmo com todas as críticas a eventuais falhas que possam ser imputadas ao poder público, ou à deterioração da folia no município, há que se registrar que, apesar de ainda longe do ideal, foi muito melhor do que o carnaval de 2015.

Carnaval, o rescaldo II

Deu certo: estabelecer limite para a entrada de veículos em Itacuruçá, especialmente na segunda-feira. A medida impediu que acontecesse um “nó” no trânsito que, no ano anterior provocara tamanho engarrafamento nas vias de acesso ao distrito que as viaturas policiais e de socorro sequer podiam transitar. Deu errado: colocar o bloqueio ao acesso na região do cemitério, onde não havia espaço para ônibus e automóveis realizarem as necessárias manobras de retorno.

Carnaval, o rescaldo III

Deu certo: o bloqueio à entrada de veículos teve como efeito colateral positivo o impedimento à entrada de muitos carros de som, que não puderam entrar para “reforçar o exército do funk”. Deu errado: pelo menos em Itacuruçá, faltou maior presença e fiscalização do poder público quanto aos carros de som que conseguiram entrar no distrito antes da formação do bloqueio.

Carnaval, o rescaldo IV

Não deu certo: Ampla e Cedae falharam no atendimento à demanda aumentada. Os banheiros químicos colocados nas proximidades do Centro Cultural “torturaram” os moradores da área central do distrito em função do odor exalado. De outra parte, há relatos de disparos de arma de fogo em diversos pontos do distrito em praticamente todos os dias do carnaval. Não se tem notícia de feridos e nem de prisões. Também não deu certo a atuação dos agentes de segurança patrimonial, que não estavam presentes no colégio Caetano de Oliveira e o mesmo acabou sendo invadido por vândalos e teve diversos equipamentos roubados.

Carnaval, o rescaldo V

Não deu certo. Relato de uma moradora: “Passando pela orla de Itacuruça os barqueiros me chamaram e relataram os seguintes fatos: Eles fizeram um cadastramento junto a Prefeitura, muitos tiveram que abrir CNPJ e cumprir outras exigências da Prefeitura. Me disseram que estavam confiantes receberam crachás e na sexta já começaram a chegar táxis boats de outras localidades. Pois bem, chegou o choque de ordem e os barqueiros sem cadastros não quiseram parar de trabalhar. Resolveram dar 15 dias para procurarem a Prefeitura. Só que estes vieram apenas para o carnaval e não irão em Prefeitura nenhuma. E como fica a situação dos barqueiros que trabalham o ano inteiro e cumpriram todas as exigências? Eles não aguentam mais serem enganados.” (Patricia Lago)

Carnaval, o rescaldo VI

O carnaval está perdendo para a desordem e a bagunça. O município, ainda que tenha melhorado a fiscalização com a ordem pública, em relação ao ano passado, ainda assim precisa muito evoluir. Os blocos de Itacuruçá, eram outros, hoje tem que concorrer com carros de som para tudo quanto é lado. Só ontem, no entorno da concentração do Bloco, tinham mais de 15 tocando o que queria, de apologia ao crime, a músicas que o único intuito é deixar os ânimos de quem ouve bem exaltados. Mesmo fechando a concentração, com banda contratada, mais de 40 pessoas ajudando na organização e segurança, o Bloco do Carvão foi organizado e correu tudo bem. Quem entrou na área que separamos para a concentração pode falar e dar o seu relatado do que ocorreu lá dentro. Para a turminha que critica de tudo, os do contra, que não saiu nem de casa e fica fazendo fofoca sem saber o que está falando, favor pedir a repressão dos carros de som que foram os mesmos que causaram o terror na cidade, e não foi só ontem é todo fim de semana. Estamos vivendo uma geração no Brasil de pessoas sem educação e que acham que pode fazer o que quiser. Favor pedir e dar mais educação aos seus, também vai ajudar. Ficar no facebook expondo suas ideias de modinha sem ir se aprofundar no que fala, não vai adiantar. (André Carvalho, um dos organizadores do bloco do carvão de 2016)

Choque de ordem

Será que ninguém com autoridade viu esse caminhão com essa imensa faixa e até um freezer na carroceria vendendo cervejas, refrigerantes e energéticos?Caminhão cerveja

Choque de ordem II

A quarta-feira de cinzas continuou sendo o paraíso das Vans piratas. No dia de ontem, algumas dezenas delas, adesivadas para diversos percursos do Rio de Janeiro, entraram e saíram do distrito desde a manhã até a noite. A par disso, até os ônibus da expresso Mangaratiba se aproveitaram do grande movimento para majorar as tarifas dos ônibus com ar condicionado. Não importava se o trecho do passageiro seria até Itaguaí ou Nova Iguaçu, o preço da passagem era o mesmo, dez reais.WP_20160210_19_17_47_Pro

Anúncios

2 respostas em “11 de fevereiro de 2016

  1. Professor,
    Quanto ao Colégio Caetano, houve invasão e vandalismo, porém nada foi furtado do colégio. Nos pareceu que tentariam roubar “carnes” do freezer, mas que por estarem congeladas não foi possível levar.

    Já providenciamos os reparos nas portas que foram ao chão, tamanha a força imprimida para invadirem o refeitório.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s